25/04/2007

25 DE ABRIL, SEMPRE







OS VAMPIROS

No céu cinzento
Sob o astro mudo
Batendo as asas
Pela noite calada
Vem em bandos
Com pés veludo
Chupar o sangue
Fresco da manada



Se alguém se engana
Com seu ar sisudo
E lhes franqueia
As portas à chegada
Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada
A toda a parte
Chegam os vampiros
Poisam nos prédios
Poisam nas calçadas
Trazem no ventre
Despojos antigos
Mas nada os prende
Às vidas acabadas

São os mordomos
Do universo todo
Senhores à força
Mandadores sem lei
Enchem as tulhas
Bebem vinho novo
Dançam a ronda
No pinhal do rei

Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada
No chão do medo
Tombam os vencidos
Ouvem-se os gritos
Na noite abafada
Jazem nos fossos
Vítimas dum credo
E não se esgota
O sangue da manada

Se alguém se engana
Com seu ar sisudo
E lhes franqueia
As portas à chegada
Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada

Eles comem tudo
Eles comem tudo
Eles comem tudo
E não deixam nada

(ZECA AFONSO)

4 comentários:

António Melenas disse...

Eles comem tudo e comem cada vez mais. Assim nós deixemos. Está nas nossas mãos partir-les os dentes para que fiquem menos vorazes

Poemas de amor e dor disse...

Camarada amigo,
Comemora-se hoje o nosso dia - o dia da LIBERDADE. Ai como o tempo passa. Ainda há pouco eu era prisioneiro de opinião no meu próprio país; ainda ontem engrossava a multidão com cravos. O tempo passou depressa e na pressa vai-se esquecendo que para haver liberdade muito foram os que lutaram e morreram.
Volto ao antes de ontem, adolescente, escrevendo poemas por metáforas com medo de ser preso. Hoje, quando a democracia se encontra em pleno, volto a pensar que os meus sonhos de Abril –as minhas mãos cheias de cravos – não mais são que sonhos e resquícios dum odor de cravos vermelhos envergonhado. A vida está melhor, pois claro! Pudera. O que fizeram aos muitos milhões de financiamentos que entraram ao longo dos anos. A vida está melhor? Sim, para alguns! A vida está a ficar pior para a maioria do nosso povo. Graça o desemprego, o trabalho precário e este tremendo combate aos funcionários públicos feitos réus pelos políticos.
Hoje é o nosso dia – o dia da Liberdade. Viva o 25 de Abril
Rogério Martins Simões
Algumas palavras fora do contexto. 1º não fui ao encontro dos blogs por impedimento. Assumi há cerca de 1 ano estar no baptizado da filha de um amigo e no passado sábado lá estive no Monte da Pedra Crato. Poderia alegar que a minha Parkinson às vezes me deixa envergonhado e que parece que todos fixam o olhar em mim. Mas não é verdade! Não fui por impedimento.
2º Azar dos azares. Hoje quando me preparava para ir a uma comemoração em Queluz promovida pelo meu colega e amigo, o poeta José Baião, recebi a notícia do falecimento de um familiar próximo e lá faltei a tão grande evento. O José Baião é o autor do post colocado hoje no meu blog e desconhece a razão por ter faltado ao evento.
O José Baião é Licenciado em Direito; poeta; ensaiador de teatro; mestre na leitura de poesia; virtuoso tocador de viola; cantor e irmão do actor João Baião
José Baião Santos é de BEJA e certamente um dia destes estaremos todos lá para o ouvir declamar os poetas alentejanos e escutar as canções do Zeca e Adriano.
Sem mais um forte abraço e viva a liberdade
Rogério

Sulista disse...

Eles continuam a querer comer tudo... mas a gente não vai deixar!!


Beijinho Grande ;-)

TMara disse...

lamentavelmente há textos, poemas e atitudes k não são ultrapassadas eplo tempo...

Bj meu amigo

Seguidores

Arquivo do blogue