17/08/2007

A VIDA





É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo "Pedro Sem",
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem!

A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...

Amar-te a vida inteira eu não podia,
A gente esquece sempre o bom de um dia.
Que queres, meu Amor, se é isto a vida!


FLORBELA ESPANCA (1894-1930)

Foto de Cedrico Fernandez

8 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

Florbela Espanca cantava o amor como poucos o sabem cantar. E cantava também a planície alentejana, aquela planície incandescente e de cantares tristes que marca um passado de opressão e de miséria que muitos pretendem apagar. Não nasci nem vivi no Alentejo mas o Alentejo é uma referência no meu percurso. Por isso gosto de passear em blogues alentejanos especialmente se são tão agradavelmente sedutores quanto este.

sonhadora disse...

Bom fim de semana.
Beijinhos embrulhados em abraços

O Chaparro disse...

bonito.
passei p desejar um bom resto de semana. abraço

Voando Sozinho disse...

As Ladeiras Históricas de Monsaraz estão a ser arrasadas, por obras realizadas sem qualquer tipo de painéis de identificação pelo que se desconhece o seu enquadramento legal.

Por entendermos que estas obras são prejudiciais para a imagem de Monsaraz e para a sua qualidade ambiental e paisagística e ainda por questionarmos a sua legalidade, face ao que delas é visível, vimos por este meio solicitar a actuação e divulgação que esteja ao Vosso alcance.

Todas as informações acerca deste "atentado" ao património histórico, estão disponíveis em http://adim-monsaraz.blogspot.com

Desde já o nosso obrigado.

Teresa David disse...

Como gosto da poesia intemporal da Espanca! Como tudo que diz respeito aos sentires nunca morre.
Boa escolha!
Bjs
TD

Moinante disse...

Lentamente regresso , confesso quem senti alguma saudade deste grande universo de amizade virtual .
Após uma breve leitura , parto , deixando votos de um bom fim de semana .
Até breve

TMara disse...

k bem me msoube hoje, este poema de Florbela. Por mais k se silenciem sobre ela, uma das grandes poetas do séc.XX.
Por mim acho-a muito superior a Nobre e menos mórbida, contra o commumente dito e repetido.
Bjs meu amigo-quiçá parente. Boa semana

Menina_marota disse...

"Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem! "

Já tanto se disse sobre Florbela... mas acho sempre que se disse pouco!

Ler a sua poesia é como afagar a minha alma...

Bela escolha.

Bj e bom fim de semana ,))

Seguidores

Arquivo do blogue