11/10/2007

Papoila do Alentejo

Foto de José Varela (Al-Farrob)





Pintada no doirado das searas,
frágil papoila rubra dos trigais,
lembra um rubi em flor, é jóia rara,
dançando ao som dos ventos estivais.


Papoila, prisioneira do suão,
cativa do chão seco onde se deita,
irmã da triste espiga magra em pão,
sofre com ela a dor da má colheita.


Mas quando a aurora rompe em alvoradas,
as pétalas sedosas, encarnadas,
P’lo espaço, vão libertas esvoaçando,


E a humilde papoila colorida,
é lágrima de sangue, dor sentida,
Que em desalento a terra vai chorando.




Orlando Fernandes (Alentejo… e Outros Poemas )

5 comentários:

jorge vicente disse...

o alentejo é uma dádiva e essa poesia uma flor.

espero que nos mostres mais flores como estas, amigo

um abraço
jorge

DE-PROPOSITO disse...

Uma poesia que é um hino (de forma indirecta) às antigas searas de trigo, que por aí existiram, e onde tantas pessoas sofreram.
Saudações.
Manuel

Fernanda e Poemas disse...

Olá Lumife, fiquei deslumbrada, com estas postagens.
parabéns.
Beijinhos!
Bom fim de semana,
Fernandinha

Teresa David disse...

Adoro ver um campo de papoilas com a beleza escarlate que emana e que o poema bem ilustra.
Bjs
TD

O Chaparro disse...

passei p desejar boa semana.
abraço, compadre

Seguidores

Arquivo do blogue