04/11/2007

ALVITO - Regresso da Feira dos Santos



Regresso de Alvito

Já lá vai a Feira dos Santos. Dias de movimento, de mercadejar, de encontros, de saudações, de lembranças, de saudades.

Os amigos que desculpem a falta de notícias e de visita aos seus blogs mas em breve as leituras estarão de novo em ordem.

Aqui lhes vou relatar um pouco do que vi e vivi nestes dias.

Começo por vos abrir o apetite com um bacalhau à Zé do Pipo que abundantemente foi servido no O Casão, em Vila Nova da Baronia.
Bem confeccionado e servido por simpáticas empregadas.
O pão alentejano, as azeitonas, o vinho alentejano e todo o ambiente em volta acompanharam o repasto fazendo recordar tempos passados.




Satisfeito rumei a Alvito já cheio de tendas e preparado para a abertura da Feira dos Santos.
O Castelo de Alvito, este ano envergonhado pelas faixas publicitárias da Caras, com que o cobriram, continua a acarinhar os feirantes que o rodeiam.
A Feira preenche toda a Praça da República, o Rossio, o Largo das Alcaçarias, e mais ruas até à entrada e saída da vila.
O trânsito automóvel torna-se impossível dentro da vila pois a Feira dos Santos toma conta de todo o espaço público.
Para o ano, segundo consta, este evento terá novo poiso.
Como sempre esta decisão tem adeptos contra e pró novo local.

Aguardando a abertura oficial da Feira dos Santos dirigi-me ao Centro Cultural onde se encontram duas exposições que aqui se manterão até 30 de Novembro.

Aconselho uma visita.

“À TUA ESPERA” - pintura de Oscar Alves.

“QUARTO CRESCENTE” – escultura de Domingos Oliveira

Deixo, para apreciação, algumas fotos destas exposições.























FEIRA DOS SANTOS

Recordo com doçura
A nossa feira dos Santos,
A lembrança que perdura
É de beleza e encanto.

Criada por D.Dinis
À volta do seu castelo,
A nossa feira dos Santos
Era de tudo o mais belo.

Faltava ainda uma semana
Ao Rossio íamos espreitar,
Se os tendeiros e as barracas
Já começavam a chegar.

Cheirava a castanha assada
Batata doce bem cozida,
Comia-se polvo curado
Nozes e figos à partida.

Havia cestas de cana
Cadeiras fundo de buinho,
Até se compravam camas
E cobertores bem quentinhos.

Puxe aqui uma argolinha
Que sai sempre uma prenda,
Eram bonecos de barro
Que serviam p'ra oferenda.

Vai mais uma vez girar
O carrossel Araújo,
Vamos nele p'ra rodar
Tenho medo, mas não fujo.

Havia carrinhos de choque
Que eram a nossa paixão,
Quando batiam de chofre
Íamos parar ao chão.

Varapaus p'ra azeitona
Tabuleiros para o pão,
Pirolitos de açúcar
Doce e belo torrão.

À noite venham ao circo
Gritava o pobre palhaço,
Há trapezistas de risco
Homens de músculos d'aço.

Os ciganos prometidos
À feira vinham casar,
Entre palmas e cantigas
À praça iam festejar.

Vinha de todos os lados
O povo para feirar,
Tudo o que precisavam
P'ra comer e p'ra usar.

Com tostões na carteira
Pouco podíamos comprar,
Mas bastava-nos a feira
Para rir e p'ra folgar.




Olinda Bonito 10/07

8 comentários:

Olhos de Mel disse...

Adorei conhecer a feira. Fiquei com água na boca por causa do bacalhau.Gostei da poesia, onde retrata a feira com perfeição.
As fotos estão lindas!
Que sua semana seja feliz!
Beijos

RCataluna disse...

Tive muita pena de não puder ter ido...

Pode ser que, para o ano...

Abraço!

Charroco disse...

Olha o Pasquim do Charroco .
Quem quizer ver
comigo vai ter .

Boa semana .

Sol da meia noite disse...

E pela tua mão, senti-me em plena feira...

Adorei o modo como em poema descreveste todo aquele ambiente...

Desde a feira, às exposições, adorei o post. Cheio de vida!

Beijinhos!

São disse...

Como é bom estar aqui, numa casa alentejana!
Se quiser matar "soidades" do nosso Alentejo faça o favor de passar em breve por
http://ourocru.spaces.live.com/.

Sugiro que apareça com o ritmo próprio das largas planícies , pois acho que vale a pena!

Tudo de bom!

Rui Caetano disse...

Uma feira bonita e as tradições devem ser sempre preservadas. Interessante.

Teresa David disse...

bEM QUE GOSTARIA DE TER IDO. MAS O SONHO É UMA COISA E A REALIDADE OUTRA. A MINHA DIFICULDADE SERÁ SEMPRE A MESMA, PAGAR A DESLOCAÇÃO E ALOJAMENTO QUE PARA UMA PESSOA SÓ É SEMPRE SUPERIOR.
RESTA-ME A NOSTALGIA E SONHAR QUE TALVEZ PARA O ANO CONSIGA IR!
MAS PELO PROGRAMA APRESENTADO, E OBRAS EXPOSTAS, FOI CERTAMENTE UMA EFEMÉRIDE BEM AGRADÁVEL DE PRESENCIAR.
BJS PARA VÓS
TD

Paula Raposo disse...

Um prazer ter viajado contigo neste momento! Delicioso tudo o que nos apresentas. Beijos.

Seguidores

Arquivo do blogue